PAPO DE BAILARINOS: SUPORTE

Alô, alô, bailarinos de plantão!
Hoje vamos falar de uma peça de roupa que faz parte do figurino dos meninos que dançam: o bendito suporte!
 

 
É meio que uma questão de amor e ódio, né?! Tem aqueles que não se incomodam e tem aqueles (me arrisco a dizer que 99%) que detestam – e eu me incluo neste último grupo!
Mas, infelizmente, é um mal necessário e que faz toda a diferença na estética enquanto o bailarino está no palco.
 
Existem algumas marcas no mercado, mas praticamente só conseguimos encontrar nas cores preto, branco e bege. Existem ainda para crianças e adultos, claro!
Em relação ao tamanho, o ideal é você experimentar por cima da cueca para saber qual é o mais indicado para você.
Se a loja não permitir que você experimente, leve uma cueca e sobreponha uma peça sobre a outra (foto abaixo) para ter uma noção mais certeira.
 
Ok! Eu sei que é meio constrangedor, mas é melhor do que você usar um suporte grande ou pequeno demais, não é?! Além de já ser um negócio nada confortável por questões de “fio-dental”, imagina se estiver com o tamanho errado…


 
Mas, afinal, para que serve o tal suporte masculino?
Basicamente são dois motivos de existir este nosso não tão queridinho:
1) Com o suporte, é possível mostrar mais o físico (musculatura) para uma maior riqueza de detalhes nos movimentos, uma vez que ele não marca nos figurinos utilizados pelos homens, que normalmente são calças confeccionadas em malha; e
2) Como ele é feito com uma base reforçada na parte da frente, promove então maior conforto, principalmente nos saltos. Explico: quando utilizamos cueca e fazemos uma sequência de saltos, o pipi também “pula” e acaba saindo do lugar que estamos acostumados a acomodá-lo. Depois de um certo tempo acaba incomodando. Imagine você dançando um Ballet com, mais ou menos, 2 horas de duração!!!
 

Alguns dizem ainda que o suporte também faz com que a anatomia masculina (sendo bem claro: o pipi) não realce, devido à base reforçada na parte da frente. Desta forma, o público não se distrairia com isso e prestaria mais atenção aos movimentos. Vai saber, né?!

 

 
Lavando o suporte:
Para lavar, é bem simples… Eu, particularmente, gosto de lavar na mão mesmo. Passo um sabonete, dou uma esfregada e coloco para secar na sombra.
Porém, se você preferir colocar na máquina, meu conselho é você programar a máquina de lavar para roupas delicadas e ainda assim colocar o suporte dentro daqueles saquinhos próprios para lavar peças íntimas. Dessa forma, você também evita que pegue pelos!
Um dica: Use água fria. A água quente pode diminuir a vida útil do suporte.


Espero que tenham gostado!
Sentiu falta de alguma coisa? Deixe seu comentário que eu respondo! 😉








   VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:

#EUFUI: PRÉ-ESTREIA DE “A BAILARINA”

Pessoaaaaal, como já disse em um post passado (aqui), a Paris Filmes está lançando uma animação dia 26 de janeiro agora que é totalmente pensada em nós, bailarinos. O filme conta a história de Felicie, uma menina órfã apaixonada pela Dança. Ao lado do seu melhor amigo, Victor, que deseja se tornar um grande inventor, desenvolvem um grande plano de fuga para realizarem seus sonhos.
Felicie e Victor fogem do orfanato em que vivem para Paris, a Cidade Luz, onde a Torre Eiffel ainda está sendo construída.
Felicie terá que se superar e aprender com seus erros para tornar o seu sonho em realidade: ser uma grande bailarina da Ópera Nacional de Paris.
 
Então, ontem, dia 21, a convite da Flavinha Viana (do Blog As Flavias), fui a Pré-estreia do filme “A Bailarina“, que aconteceu na Repetto, no Shopping Cidade Jardim, em São Paulo.
 
Claro que eu não ia deixar de fazer um post aqui contando tudinho (sem spoilers) de como foi esse evento maravilhoso! Vamos lá?


O dia começou bastante especial com uma aula linda da Primeira Bailarina do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Claudia Mota dentro da loja da Repetto mesmo. E ainda fomos agraciados com uma apresentação maravilhosa de “A Morte do Cisne” da nossa diva!

 
Logo depois, recebemos a ilustre visita da Ana Botafogo!

Claudia Mota, Leticia (Ballet Fly) e Ana Botafogo


 
Seguimos para o Cinemark, onde fomos recebidos com um poster enorme do filme para podermos tirar fotos! *–*
Quando entramos na sala Prime do cinema, que delícia de surpresa: Um saco de pipoca e um copo de refrigerante! 😀

 
Gente, o filme é liiiiiiiindo!
Tenho certeza que vocês irão se emocionar do início ao fim! É um filme realmente pensado nos bailarinos e, portanto, vocês irão se identificar com cada cena!
Bom, não posso falar mais que isso… Apenas corram pro cinema e assistam assim que estrear!!! 😉
 
Para completar, recebemos alguns mimos da Repetto, PIC-ME e da Memo!


Espero que vocês tenham gostado!
😀








   VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:

BAILARINANDO EM FERNANDO DE NORONHA

Pois é… Como falado no post anterior (veja aqui), eu, meu namorido e minha mãe fomos passar o Natal em Fernando de Noronha!
Claro que eu não poderia deixar de fazer um post exclusivamente sobre aquela ilha mágica, né?!
 
Todos prontos para saber um pouquinho de cada dia no lugar mais lindo que eu conheço?
 

DIA 1 – 24/12/2016

 
Nosso vôo saiu de Campinas às 8h10 e, após duas escalas (Salvador e Recife), chegamos em Fernando de Noronha às 14h20. Lá é obrigatório passar por uma “alfândega” onde você paga a Taxa de Preservação Ambiental. Como já havíamos pago pela internet, a fila era menor e fomos rapidamente retirar nossas malas (o que demorou cerca de 20 minutos).
Seguimos para nossa Pousada para fazermos o check in e deixarmos nossas malas.
Neste primeiro dia, decidimos não ir à praia, pois estávamos muito cansados. Mas ficamos andando pelo Centro Histórico e assistimos ao pôr-do-sol no Forte de Nossa Senhora dos Remédios. Foi incrível!!!
 

Forte de Nossa Senhora dos Remédios


 
Mais tarde, como era Natal, íamos jantar em um Restaurante, porém acabamos dormindo antes. hahahaha
 

DIA 2 – 25/12/2016

 
Acordamos bem cedinho e fizemos uma trilha que dava no Mirante dos Golfinhos e, para nossa surpresa, vimos vários Golfinhos!!!
 

Mirante dos Golfinhos


 
Depois fomos para a Praia do Sancho – eleita uma das mais (se não a mais) bonitas do Brasil. E realmente é maravilhosa!
O mar estava com ondas baixinhas, mas o suficiente para vermos filhotes de tubarão (descobrimos depois que eram Tubarão-Lixa e Tubarão-Limão e não atacam banhistas) sendo levados e trazidos por essa “marolinha“.
 
Seguimos para a Praia do Bode e Praia Cacimba do Padre, onde almoçamos um peixe feito na folha de bananeira que tava um escândalo de bom, na Barraca das Gêmeas.
Nessas praias, o mar estava bem agitado e decidimos ficar descansando na areia mesmo. Delícia demais!
 
À noite, mais uma vez super cansados, saímos apenas para jantar e logo voltamos para a Pousada.
 

DIA 3 – 26/12/2016

 
Mais um dia acordando bem cedinho para aproveitar ao máximo. Dessa vez, fomos para a Praia do Leão. E destaco que é uma das minhas preferidas! Não tinha NINGUÉM e ainda existe uma piscininha natural cheia de peixinhos e tranquilinha, uma vez que o mar também estava bem agitado.
 

Praia do Leão


 
Na hora do almoço, fomos para o Museu do Tubarão experimentar o famoso Tubalhau – Bolinho de Carne de Tubarão -, e achei bem normalzinho, nada tão surpreendente!
Aproveitamos para conhecer o Buraco da Raquel, Capela de São Pedro (uma vista maravilhosa de parte da ilha) e, claro, a Praia do Porto, onde o Hugo – meu namorido – fez o mergulho com cilindro.
Siiiim, eu não tive coragem! hahahaha
 

Museu do Tubarão


 

Vista da Capela de São Pedro


 
Voltamos para a Pousada, tomamos um banho bem relaxante, descansamos um pouquinho e fomos jantar.
 

DIA 4 – 27/12/2016

 
Acordamos um pouco mais tarde, pois a Praia do Sueste só abre às 9h e esta seria o nosso destino.
Praia super calminha, mas eu tava morrendo de medo, porque foi lá que o turista foi atacado por um tubarão em 2015. Porém, como já foi noticiado, o banhista estava em um local que não era apropriado (existem boias delimitando onde podemos ir), no horário que também não era o mais correto e ainda, dizem, ele tentou tirar uma selfie com o tubarão.
Destaco ainda que o tubarão que o “atacou” (Tubarão-Tigre), segundo relatos dos pesquisadores, o teria matado se realmente tivesse atacado, mas ele apenas quis se defender daquele intruso e/ou se assustou devido ao pau de selfie.
 
Enfim, Hugo me convenceu a fazer um mergulho de snorkel mesmo, pois ele voltou do mergulho de cilindro maravilhado com tantas tartarugas, peixes diferentes, raias, etc etc etc. Então lá fomos nós agarrados numa boia sendo puxados por um instrutor.
Depois de andar uns 2 minutos mar a dentro, de repente o instrutor puxa a boia com mais força (sinal de que havia algum peixe para olharmos)… Quando olho para baixo de mim, DOIS TUBARÕES ENORMES!!!
Quase arranquei as costelas do Hugo de tanto apertar!
Sério!! Parecia mãe e filho. A mãe com uns 1,80m e o filho com 1,10m, mais ou menos. Fiquei desesperado, mas continuamos o passeio.
Muitas tartarugas marinhas… Lindas! Enormes! Raia, peixes de todas as cores e formatos, lagostas… Uma infinidade de vida marinha, um ecossistema todo preservado e equilibrado! Fiquei maravilhado!
Na volta, mais um tubarão! Eu ainda tinha medo, claro, mas bem menos do que na primeira vez. Era como se fizéssemos parte daquele ambiente.
Vale a pena o passeio!
O legal também é que é possível ver filhotes de tubarão na beirinha da praia. Mas nem precisa se preocupar: eles têm mais medo de você do que você dele! hahahaha
 

Tubarão-Limão – Praia do Sueste


 
Depois do almoço, seguimos para a Pousada para descansar um pouco, pois iríamos assistir ao pôr-do-sol no Mirante do Boldró.
E aqui vale uma dica: Chegue cedo! O lugar enche para assistir a esse espetáculo da natureza!
 

Mirante do Boldró


 
Depois desse belíssimo presente, fomos ao Projeto Tamar assistir a uma palestra sobre as tartarugas marinhas. Foi bem interessante aprender um pouquinho mais desses animais lindos!
 
Quando voltamos, minha mãe ficou na Pousada e eu e Hugo fomos encontrar uma amiga em um Bar. Foi super divertido! Conhecemos moradores da ilha, pudemos entender um pouco do ponto de vista do outro lado (turista x morador). Foi uma despedida de Noronha bem gostosa!
 

DIA 5 – 28/12/2016

 
Nosso último dia na ilha começou bem tranquilo. Decidimos ficar na Pousada arrumando a mala, uma vez que minha mãe estava começando a ficar doente. Saímos apenas para almoçar e, logo em seguida, fomos para o aeroporto, pois o vôo sairia às 14h.
 
E assim foi nosso Natal em Fernando de Noronha!!! *–*
Viemos embora com a certeza de que voltaremos mais vezes!


Morro Dois Irmãos


ALGUMAS DICAS:
– Pague a Taxa de Preservação Ambiental antes de chegar em Fernando de Noronha e, como disse no post, você não terá que ficar mais tempo na fila esperando, pois a fila de quem paga antes é separada de quem vai adquirir na hora. Veja aqui;
– Para entrar em algumas praias, é preciso comprar um ingresso que custa cerca de 100 reais e te dá livre acesso por 10 dias. Consulte clicando aqui;
– Fizemos todos os nossos passeio por conta (não compramos Ilhatur, Passeio de Barco, etc);
– Não alugamos Buggy. A diária é cerca de R$ 250 e o litro da gasolina é quase R$ 6. Decidimos usar ônibus e táxis. E deu certo! 😉
– Se possível, leve na mala água mineral, cerveja, refrigerante ou gastará bastante lá. Estes itens são bem caros! Ex: Uma garrafa de 500 ml de água chega a custar R$ 6 em alguns lugares;
– Por ser uma ilha, a internet pode não funcionar direito, tudo é demorado para chegar lá e, portanto, o custo de vida é bem alto, além das Pousadas serem bem simples (mas a que eu fiquei é bem limpa, organizada, café da manhã delícia e pessoal bem atencioso).


Ahhh… Que saudades de Fernando de Noronha!
E vocês, já conhecem? Me contem sobre a experiência de vocês nessa ilha magnífica! <3








   VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:

AH, O FINAL DE ANO…

É, pessoal… Ontem mesmo estávamos comemorando o Réveillon de 2015/2016! Agora, o ano já está acabando!
Confesso que nessa época eu fico uma manteiga derretida. Qualquer coisinha, já fico todo emocionado!
Será que só eu fico assim?
 
Como alguns já sabem, não moro mais com minha mãe há alguns anos, mas todo ano fazemos questão de estarmos juntos. E esse ano não será diferente!
Eu e o Hugo (meu namorido) iremos realizar o sonho dela: ir para Fernando de Noronha!
Tenho certeza que será maravilhoso passar o Natal nesta ilha fantástica!!! Pode deixar que postarei tudinho no Instagram do Bolsa de Bailarinos (@bolsadebailarinos). Segue a gente lá! 😉
 
Enfim… Alguns ainda não pararam para analisar tudo que foi vivido em 2015. Talvez devido à correria com apresentação de final de ano, talvez com o tanto de preparativos para as festas comemorativas…
 
Bom, foi um ano com MUITOS acontecimentos importantes para a nossa história e também para a história do nosso país: crise financeira, impeachment da presidente, alguns políticos presos e, claro, muita Dança!
 
Não penso em fazer uma retrospectiva aqui, mas é inevitável ao escrever esse post não passar um filme na minha cabeça. Foram 365 dias de bastante mudanças de planos, reinvenção (e descoberta) do que sou, do que gosto e do que quero para meu futuro. Foi 1 ano de várias lágrimas de tristeza, mas também incontáveis choros de alegrias. Foi o ano em que o Bolsa de Bailarinos nasceu!!! 😀
 
Por fim, deixo uma música que tem feito bastante sucesso, para nos lembrarmos que a vida passa muito rápido. Por isso, é importantíssimo darmos valor a todas as coisas!


E aí, que tal você aproveitar suas férias para fazer um “balanço-bailarinístico”, refletindo sobre todos os pontos positivos e a melhorar vividos ao longo do ano que passou?!
 

Um excelente Natal 🎅
E um maravilhoso Ano Novo! 🍾








   VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:

AUDIÇÃO – RAÇA CENTRO DE ARTES DE SÃO PAULO

O Raça Centro de Artes de São Paulo abriu inscrição para audição para compor seu elenco.
 
Como: Solicitar a Ficha de Inscrição pelo e-mail mkt@racacentrodeartes.com.br
Para: Bailarinxs a partir de 04 anos (Sim! Terá um Grupo Infantil, Juvenil, Sênior e Profissional!)
Quando: as audições acontecem dia 15 de janeiro, domingo
Horário:
– Infantil (Crianças entre 04 e 11 anos): 10h
– Juvenil (Jovens de 12 a 15 anos): 11h
– Sênior (Bailarinxs entre 16 e 18 anos): 13h
– Profissional (Bailarinxs com mais de 05 anos de experiência em Jazz, Ballet Clássico e Dança Contemporânea
Onde: Avenida Alberto Byington, 397 – Vila Maria Alta – São Paulo/SP
Taxa de Inscrição: R$ 20,00
Mais informações: AQUI ou (11) 2967-4882
 

(via)

(via)


 
Sobre a Raça Cia de Dança:
Raça Cia de Dança de São Paulo em três décadas de trabalho ininterrupto passou por todas as provas, trânsito e estilos diversos. Teve ao longo destes anos uma proposta de trabalho que consegue sensibilizar e despertar unanimidade do público e da crítica. Foi chamada a habitar o imaginário de três gerações de bailarinos acordando neles a percepção de modo distinto de abordar a Dança.
Uma Cia Brasileira, não pelas suas propostas temáticas e, sim, porque seus corpos exalam Brasilidade. Sua fundadora, Roseli Rodrigues, soube imprimir na Cia uma marca indelével, a vitalidade. Mas a Dança da Raça não é de vitalidade apenas física; existe no corpo da Cia Paulista o palpitar de uma vitalidade de inteligência emocional, uma Dança de fibra jovem, coração forte e pulmões aeróbicos, e é com esta vitalidade que a “Raça” traduz a Dança do Brasil de hoje, sob Direção Geral de Renan Rodrigues.








   VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:

Página 2 de 14123456... 14Próximo